segunda-feira, 15 de julho de 2013

Filme: Minhas Tardes com Margueritte: QUANDO A LEITURA MODIFICA O OLHAR

Filme: Minhas Tardes com Margueritte: 
QUANDO A LEITURA MODIFICA O OLHAR

Título Original: La Tête En Friche
Gênero: Comédia, Drama
Direção: Jean Becker
Produtores: Louis Becker (I)
Elenco: Gérard Depardieu (Germain Chazes), Gisèle Casadesus (Margueritte), Sophie Guillemin (Annette), Maurane (Francine).
País de Origem: França
Estreia Mundial: 2010
Duração: 82 minutos


  O título do filme a princípio nos parece aqueles romances de traição, fruto de um amor proibido, no qual Margueritte uma mulher poderosamente sedutora envolve com um homem que perde a razão.
E realmente Gisèle Casadesus (Margueritte) realmente seduz Gérard Depardieu (Germain Chazes), não pela sedução do corpo ou sexual, mas pelo orgasmo da palavra que atravessa o  ser desse homem simples e incauto, nas páginas de livros de escritores consagrados que ela todos os dias  lê para ele no banco de uma praça cercada de  pombos.
Ao interessar pela leitura daqueles livros que Margueritte lê,  Germanin passa a olhar o seu mundo de outra maneira, deixa seu lado frágil vir a tona, entende os problemas dos seus amigos amparando-os em momentos de dificuldades, passa aceitar melhor seu relacionamento com a namorada que está grávida. Os amigos de Germain percebem essa mudança na sua forma de falar e se vistir.
A literatura faz com que o seu olhar no cotidiano seja ameno, uma vez que a mãe de Chazes, Maurane (Francine), uma mulher amarga e que durante toda a vida nunca teve uma palavra de amor, conforto ou incentivo, ele desde pequeno sofre bullying tantos pelos colegas como em casa, Chazes só descobre que a mãe tinha amor por ele quando ela morre e deixa como herança a casa e uma caixa onde havia fotos do pai que não conhecia e foi concebido por cinco  minuto de prazer, e um cordão umbilical seco e retorcido pelo tempo, mas que não havia separados apesar dos constantes conflitos.
Margueritte, uma cientista e conhecedora de uma literatura impecável, por sua vez recebe de Germain toda atenção que um idoso necessita, com problemas nos olhos, ele passa a ler para  ela  que vivia em uma casa de repouso e ia  à praça para ler seus livros,  e desse encontro estranho nasce uma paixão entre esses dois seres completamente diferentes, solitários e solidários encontram-se nas citações, nos trechos de livros.
A Palavra, A Literatura e o Dicionário foram os principais ingredientes nas mãos do diretor Jean Becker para mostrar a transformação de um ser humano. Conduziu o filme com leveza e poesia deixando que as reflexões familiares, amigáveis, a solidão, as angústias não caíssem na mesmice, mas ressaltando que conhecimento e  leitura modifica sim um ser humano para a vida toda.
Claudete Jaudy_16/07/2013


Nenhum comentário:

Postar um comentário